Retrospectiva 2023: começo, meio, começo

O ano começou com a esperança subindo a rampa. A retomada de rumos democráticos incorporada com a derrota de Jair...Continue lendo »

Mar 1, 2024 - 09:03
 1
Retrospectiva 2023: começo, meio, começo

O ano começou com a esperança subindo a rampa. A retomada de rumos democráticos incorporada com a derrota de Jair Bolsonaro e a vitória de Lula nas difíceis eleições presidenciais foi um marco. Poucos dias depois, porém, os ataques golpistas de 8 de janeiro pintaram Brasília de cenas de horror, ameaçando os ares de alegria e esperança que se anunciaram. Com o anúncio dos ministérios, veio a indignação com a entrega da pasta de comunicação para um aliado do ex-presidente genocida. Mais uma vez, a comunicação virou moeda de troca, mesmo em uma conjuntura em que as agendas de acesso à internet, proteção de dados pessoais, inteligência artificial e regulação de plataformas estão no topo da pauta.

Brasil afora vimos a profusão de câmeras de reconhecimento facial e outras tecnologias de inteligência artificial como solução “mágica” para a segurança pública. Apesar da mudança no Governo Federal, a violência policial seguiu vitimando jovens negros numa escalada sangrenta, com a Bahia e o Rio de Janeiro ocupando o ranking nacional em letalidade. Enquanto o discurso de ódio, a incitação a crimes e a desinformação faziam novamente o lucro das plataformas atingirem picos e recordes, lutamos por transparência e responsabilidade. Uma batalha de Davi contra Golias.

As plataformas digitais mostraram sua força de lobby junto às instituições e utilizaram suas próprias ferramentas de datificação e curadoria de conteúdos pra contrapor-se e esquivar-se de qualquer regulação. Denunciamos, pressionamos, formulamos, projetamos em prédios e ocupamos o espaço público com mensagens, dialogamos com parlamentares, operadores do Direito, autoridades públicas e com a sociedade em geral de maneira incansável sobre a importância de se colocar limites ao poder ilimitado das big techs.

Em meio a esta conjuntura, afirmamos que é preciso defender a alegria e organizar a raiva. Junto a ativistas, pesquisadores/as, defensores/as de direitos humanos, trabalhadoras rurais, educadores/as, quilombolas, indígenas, ancestrais, fizemos uma ode à alegria de uma caminhada coletiva. Em setembro, celebramos 20 anos no Teatro Oficina, casa-terreiro de Zé Celso Martinez que, pouco tempo antes, fez seu último ato neste plano. O terreiro Uzyna Uzona recebeu Jerá Guarani, Ilú Obá Min e Nêgo Bispo para uma gira de festa e diálogo com amigos e parceiros do Intervozes. Durante a celebração, saudamos a memória de mãe Bernadete, liderança quilombola assassinada pouco tempo antes. Mais uma defensora de direitos humanos e ambientais que tombou no país.

Ainda em setembro, abrimos as portas de nossa sede para um diálogo com Nêgo Bispo que, poucos meses depois, viraria ancestral. E assim foi todo o ano, um movimento pendular entre celebrar e resistir. Entre criar e se resignar. Entre avançar e recolher, como fazem as marés.

E como navegamos em 2023! Foram sete estados do nordeste do Brasil percorridos durante a caravana de direito à comunicação. E mais quatro estados da Amazônia Legal durante a caravana de combate à desinformação ambiental e climática. Botamos o pé na estrada mundo afora também! Estivemos em Cali, San José da Costa Rica, Santiago, Cidade do México, Bogotá, São Francisco, Montevidéu e Paris. Recebemos pessoas de sete países latino-americanos para conversas sobre regulação de plataformas, regulação e combate aos monopólios digitais, autonomia e soberania tecnológicas, educação midiática. Intercambiamos saberes junto a trabalhadoras rurais de Sergipe, quilombolas do Piauí e do Maranhão, a Rede Wayuri, do Amazonas, e o povo Guarani Mbyá, no extremo sul de São Paulo.

Lançamos livros, pesquisas, cartilhas. Produzimos muitos e muitos encontros e pontes entre agendas e pessoas. Atravessamos as ondas de calor e a crise climática atentos aos impactos e denúncias de quem reivindica a vida nos territórios que mais sofrem com estes efeitos: a população negra e indígena. Denunciamos a relação entre o agronegócio e a mídia. Entre as big techs e os políticos que produzem cortina de fumaça e desinformação climática enquanto passam a boiada. Entre a mineração, as políticas de acesso à internet e o investimento nas tecnologias digitais privadas de Elon Musk.

Investigamos as vozes silenciadas nos discursos midiáticos sobre as cotas raciais nas universidades, sobre o movimento dos trabalhadores rurais sem terra e sobre a transição energética. Perguntamos: as energias solares e eólicas são limpas pra quem? Amplificamos os anúncios de pescadoras, marisqueiras, trabalhadoras rurais, quilombolas, indígenas, jornalistas e comunicadores populares. Recebemos moção de reconhecimento na Câmara Municipal do Rio de Janeiro por nosso trabalho na defesa do aborto legal e seguro. Conhecemos o Zé Gotinha durante atividade de combate à desinformação no âmbito da saúde. Experimentamos gambiarras, arranjos, resistências à plataformização da vida. Lançamos, pela primeira vez, um livro em formato de audiobook, acessível a pessoas cegas e com baixa visão.

Em 2023, abrimos as portas da nossa casa-sede que foi lavada com ervas trazidas da Bahia, ensinamento ancestral. Amarramos os desejos e intenções para novo ciclo em fitinhas do Senhor do Bonfim logo na entrada da sede. Lá, já aprendemos alguns passos do boi garantido e a dançar como quem faz farinhada com mulheres do semiárido nordestino. Nos inspiramos com a ousadia incansável de quem ocupa os ares em ondas sonoras ingovernáveis e que, ousa dizer, quem manda na internet e nas tecnologias somos nós e não o contrário.

É com esta energia que celebramos o ano que finda e saudamos o que está por vir. Seguiremos nessa dança de lutar-celebrar-resistir. Como ensinou Nêgo Bispo: confluímos num tempo dentro do outro. Começo, meio, começo.

Que venha 2024!

Curso de Formação do Intervozes em 2023. Foto: Tuane Fernandes

Linha do tempo

JANEIRO

Intervozes promove atividades sobre direito à comunicação no Fórum Social Mundial 2023

Análise | Mídia sobe o tom contra atos golpistas, após anos de tolerância

FEVEREIRO

Intervozes participa do Internet for Trust, evento global da Unesco sobre regulação de plataformas

Entidades entregam dossiê e propostas para a atuação do Observatório da Violência contra Jornalistas e Comunicadores

MARÇO

Intervozes lança o livro “Quem controla a mídia?”, em São Paulo

Intervozes é eleito para nova coordenação do FNDC no biênio 2023/2025

Análise | Por que somos a favor da constitucionalidade do artigo 19?

Análise | Por outro Ministério (e ministro) das Comunicações

ABRIL

Especial “Comunicação pós-Bolsonaro”, em parceria com Le Monde Diplomatique Brasil

Intervozes promove caravana do direito à comunicação em cinco estados do Nordeste

Em parceria com organizações amazônidas, Intervozes lança relatório de combate à desinformação na Amazônia Legal

MAIO

Intervozes lança nova edição da série Vozes Silenciadas sobre direitos sexuais e reprodutivos

Intervozes participa da CryptoRave 2023, em São Paulo

Resumo Executivo da publicação “Vozes Silenciadas: a cobertura da mídia sobre a Lei de Cotas” é lançado em Salvador

Intervozes é uma das entidades organizados da Conferência Nacional Livre de Saúde Digital

Instituto Vero e Intervozes realizam o seminário “Mentira que Desmata”, em Brasília

JUNHO

No RightsCon 2023, Intervozes promove debate sobre regulação de plataformas a partir de uma perspectiva do sul global

Intervozes participa de encontro Imaginando infraestruturas de cuidados e para o meio ambiente, organizado pela APC e Sulá Batsú, na Costa Rica

De junho a setembro, Intervozes realiza caravana combate à desinformação na Amazônia Legal nos estados do Pará, Mato Grosso e Amazonas

Intervozes participa de Encontro Nacional das Mulheres Quilombolas, promovido pela CONAQ

Série “Vozes Silenciadas: quem quer calar a luta dos sem-terra?”

Análise | “Direito à comunicação, direitos sexuais e reprodutivos – O caso do vazamento de dados da criança do Espírito Santo”, na revista Eco-Pós da UFRJ

Iara Moura, do Intervozes, assume relatoria da Plataforma Dhesca Brasil

JULHO

Intervozes participa de lançamento da Frente Parlamentar das Rádios Comunitárias

Intervozes realiza sua 21ª Assembleia Geral ordinária e inaugura sede em São Paulo

Nepp-DH/UFRJ lança 10ª edição do Curso de Extensão Mídia, Violência e Direitos Humanos. Intervozes é um dos parceiros da iniciativa

AGOSTO

Observatório dos Futebóis | Ineditismos marcaram a Copa do Mundo Feminina dentro e fora do campo

SETEMBRO

Intervozes celebra 20 anos de história com festa, curso e giras de diálogo

Análise | Maior ação política de mulheres da América Latina foi ignorada pela mídia tradicional

OUTUBRO

Intervozes participa de eventos promovidos pela Secretaria de Comunicação da Presidência da República sobre desinformação e educação midiática

Intervozes participa do II ComPública e discute perspectivas para a comunicação pública no Brasil

Intervozes promove intercâmbio entre Rede Wayuri, do Amazonas, e o povo Guarani Mbyá, no extremo sul de São Paulo.

NOVEMBRO 

MJSP nomeia Intervozes e outras 37 entidades para compor o Observatório da Violência contra Jornalistas e Comunicadores

Participamos da inauguração da Escola Nacional de Comunicação Popular do MST

Análise | Por que dados desagregados sobre desigualdades são importantes

Vozes Silenciadas | Intervozes lança especial, em parceria com o Brasil de Fato, analisando a relação entre mídia e energias limpas

Violência policial e novembro negro | A que preço? Governo da Bahia se alia a programas policialescos para justificar o injustificável

Por articulação do Intervozes, Conselho Nacional de Direitos Humanos publica recomendações a veículos de mídia e plataformas sobre conflitos em Gaza

Em parceria com a UFRN, Intervozes promove II Seminário de Comunicação e Direitos Humanos

DEZEMBRO

Em seminário internacional, entidades e movimentos sociais apresentam caminhos para lidar com os desafios digitais

CDR, Intervozes, Creative Commons e Lavits lançam o laboratório Bifurcar: tecnologias de retomada

Análise | Artigo “Justiça socioambiental na encruzilhada do direito à comunicação”, no livro Direitos Humanos no Brasil 2023

Análise | Artigo “Tecnologias a partir do chão que pisamos: fuxicos entre os feminismos digitais e os feminismos populares latino-americanos”, no especial GenderIT (no prelo)

Intervozes é parceiro na construção da Assembleia do Movimento de Mulheres Trabalhadoras Rurais de Sergipe

What's Your Reaction?

like

dislike

love

funny

angry

sad

wow